25 de junho de 2021
  • 18:47 Vice-governador do AM, Carlos Almeida Filho diz que denúncia da PGR é infundada
  • 15:16 Sucateado Na Gestão Anterior, Governo David Almeida Restaura Atuação Do Manausmed
  • 12:02 PGR Denuncia Vice Do Amazonas, Mas PF Diz Que Não Achou Nada Contra Ele
  • 11:25 Servidores denunciam diretora do HPS 28 de Agosto
  • 23:59 Prefeitura De Manaus Entrega 42 Novos Ônibus Ao Transporte Coletivo
  • 23:53 Gasolina E Diesel Ficarão Mais Caros A Partir Desta Sexta-Feira
  • 23:48 Vereador Peixoto acompanha entrega de ônibus novos realizada pela prefeitura de Manaus
  • 22:21 Prefeitura de Presidente Figueiredo lança Comitê Gestor do Setor Primário e assina Termo de Cooperação Técnica com a SEPROR
  • 22:19 Álvaro Campelo defende realização de concurso público para reforçar segurança pública no Amazonas
  • 22:14 David Almeida completa 100 dias e convoca coletiva para balanço
  • 18:34 Morre O Apresentador Victor Santana, Por Complicações Da Covid-19
  • 23:52 Homem E Preso Em Flagrante Por Descumprimento De Medida Protetiva No Bairro Tancredo Neves
  • 23:41 Morre Cantora E Radialista Jorgina Viana Vítima De Câncer
  • 23:29 Bebê De 2 Meses Tem Afundamento Do Crânio Após Ser Torturado Pelos Pais
  • 21:28 Prefeitura de Manaus e ciclistas se reúnem para discutir campanha de segurança no trânsito
  • 02:16 Sandy & Junior Ocupam As Tardes De Domingo Da Globo
  • 01:48 NO AMAZONAS, AULAS DO ENSINO MÉDIO NA REDE PRIVADA SÃO RETOMADAS
  • 17:25 Morre aos 41 anos vítima de câncer, Bruno Covas, Prefeito de São Paulo
  • 00:29 Desembargador nega pedido de Elizabeth Valeiko para anular quebra de sigilo telemático
  • 00:23 ONU: Trabalho informal em massa pode retardar recuperação pós-Covid
  • 00:15 Campeonato amazonense – Negueba decide e São Raimundo sai na frente do Manaus na final
  • 00:21 Exploração da costa amazônica cresce de modo desordenado e preocupa cientistas

Sem vacina, professores da rede pública de ensino no Amazonas não estão dispostos a voltar às salas de aula. O ensino remoto não substitui a presença nas escolas e com a prolongação das atividades escolares à distância, problemas sociais se agravam para crianças de classes baixas, afirmam especialistas.

A professora Ana Cristina Rodrigues, presidente do SINTEAM (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas), afirma que a falta de planejamento para a imunização da categoria e a ausência de ações preventivas para resguardar a vida dos profissionais e alunos impedem o retorno. “Somente com a vacinação de todos os trabalhadores em educação podemos falar em retorno seguro, salientando que esta vacinação inicie pelos administrativos que são os primeiros convocados ao trabalho”. Afirmou .

Sindicatos defendem aulas presenciais só após vacinação dos professores

Elma Sampaio, presidente da ASPROM Sindical (Sindicato dos Professores e Pedagogos das Escolas Públicas de Manaus), afirma que sem a imunização as escolas contribuirão para uma eventual terceira onda. “Para um retorno minimamente seguro é necessário que a comunidade escolar esteja vacinada, caso contrário, retornar sem vacinação é transformar as escolas em espaços de transmissão e disseminação do vírus da Covid-19”. Disse Elma.

O governador do Amazonas, Wilson Lima, afirmou no final de março que pediu a inclusão de profissionais da educação no grupo prioritário de vacinação contra a Covid-19. O Ministério da Saúde ainda não atendeu ao pedido.

Elma Sampaio cita o transporte como outro fator que contribui para o aumento das contaminações. “Uma parcela significativa de alunos e servidores da educação utiliza-se dos transportes públicos para irem às escolas e se o retorno se der, os ônibus ficarão mais lotados ainda, e estes são espaços por excelência de aglomerações”.

Alunos retornam às aulas no interior do Amazonas

Instalação de totens de álcool em gel e pias não resolvem, dizem sindicatos dos professores.  As educadoras consideram que a instalação de pias e totens de álcool em gel nas escolas para higienização não resolve. A falta de estrutura física da maioria das escolas públicas contribui para a propagação do vírus, avaliam.

“É necessário que sejam feitas adequações para melhorar a circulação de ar nas escolas”, diz Sampaio. “Mesmo que a presença de professores e alunos seja escalonada, ainda assim teremos aglomerações nas escolas, visto que em média serão 20 a 25 alunos por sala de aula”. Afirma.

“Mesmo que seja com 50% dos alunos a cada dia, o espaço físico não é adequado para cumprir os protocolos. E tem que se levar em consideração que são jovens e crianças que não terão em todos os momentos monitoramento para os protocolos sanitários”, concorda Cristina Rodrigues.

Segundo Sampaio, não há como acompanhar a todo instante os estudantes para que sigam o distanciamento. “Eles andam sempre juntos, sentam juntos nos bancos dos refeitórios, andam de mãos dadas, permanecem juntos na frente das escolas e retiram as máscaras com muita constância e facilidade”.

SEDUC

O longo período de suspensão das aulas presenciais também cria outro problema: a desigualdade social, que se agrava com pandemia, afirma o sociólogo Luiz Antônio Nascimento, professor na UFAM (Universidade Federal do Amazonas). Ele cita como exemplo a fome. “Se a gente considerar que uma parcela importante das crianças das classes populares tem na merenda escolar a sua principal refeição, quando não a única refeição, na medida que essas crianças não têm ido para a escola, você pode imaginar o quanto que isso aprofunda a condição de miséria”. Afirma Luiz Antônio.  

O sociólogo afirma que para crianças de classes baixas é comum que o ambiente doméstico não seja visto como local de aprendizagem. “As crianças pobres e das periferias não têm acesso a outras modalidades de ensino. Então, pensar que a escola é o lugar de aprendizado as desobriga, do ponto de vista cognitivo, a estudarem fora da escola. Em casa não é lugar de estudar. Em casa é lugar de cuidar dos irmãos mais novos, lavar a louça, ajudar a mãe”. Observa o Professor.

A falta de escolaridade dos pais também dificulta o aprendizado das crianças, que não podem contar muito com a ajuda dos responsáveis, pontua Nascimento.

O sociólogo alerta para o risco de um alto índice de evasão escolar. “Esses setores populares vão aprofundar a descrença na escola e na educação. Vão declarar e manifestar coisas que você já ouve hoje em dia e há muito tempo, que as crianças não ganham nada indo para a escola, as crianças têm que ficar em casa ajudando os pais para sobreviver”, diz.

Luiz Nascimento recomenda que Estado e município façam uma mobilização para trazer as crianças de volta às escolas quando ocorrer o retorno das aulas presenciais “Nós vamos precisar que o Estado se aproprie de todas as máquinas de comunicação, televisão, rádio, jornais, internet, etc., e fazer grandes mobilizações para estimular que as crianças voltem às aulas. Promover grandes torneios de matemática, português, literatura, ciências, para fazer com que essas crianças recuperem parte do que não tiveram ao longo do período”.

Para as sindicalistas do SINTEAM e da ASPROM, a situação relatada por Luiz Antônio Nascimento é real. Elas citam aumento nas despesas e desgaste emocional pelo acréscimo de horas para o atendimento aos alunos e pais e excesso de relatórios e preenchimento de dados.

Plano de vacinação sem data para realização

A secretária de Saúde de Manaus, Shádia Fraxe, anunciou a abertura de um cadastro para planejar a vacinação de trabalhadores da área da Educação e de pessoas com deficiência permanente. O cadastro teve início na quinta-feira (6) pelo sistema Imuniza Manaus e servirá para a prefeitura estruturar a próxima etapa da vacinação.

Apesar do cadastramento, não há previsão para aplicação das doses nesse grupo.

Silvio Caldas

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT